domingo, 15 de fevereiro de 2009

Sorriso

Ando pela rua como se ela não existisse.
.
.
.
As gotas de chuva não conseguem me molhar. Minhas lágrimas não passam de memórias suas, estúpidas, que não consigo esquecer. Me lembro e rechaço as imagens que se formam em minha mente. Elas teimam em ficar, mas não as quero... NÃO ME PERMITO QUERÊ-LAS!
.
.
Você entregou seu sorriso e eu guardei.
.
.
Como?
Como você volta dizendo que nada aconteceu e que nada nunca acontecerá? Pelo sim, pelo não, pelo talvez.
.
.
Afinal, tudo merece uma primeira vez... mas meu rosto ainda está seco.
.
.
Queria que também me entregasse suas lágrimas... por que nem as minhas eu tenho mais.
.
.
.
.
Obrigado pelo que você me fez sentir. Obrigado por ter me feito sentir, ao menos, uma centelha de... de... (amor?)... de qualquer coisa. Obrigado, ainda, por ter rasgado meu coração e por ter dançado ao ritmo de suas batidas...
.
.
...e por não ter me negado seu sorriso. Nunca.

5 comentários:

Ricardo disse...

Assim, que se faz o tempo. O envelhecimento... amadurecimento? Que nada! Abraço, Eduardo!

Dario Duarte disse...

"Você entregou seu sorriso e eu guardei"

Isso é tão forte!

Vâmvú disse...

Vou concordar com o Dario... muito forte, muito bom... e ainda: "Queria que também me entregasse suas lágrimas... por que nem as minhas eu tenho mais."
Lindo texto, lindo sentimento... emocionou... muito.
Parabéns!
Abração

Sky Angel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sky Angel disse...

'Obrigado, ainda, por ter rasgado meu coração e por ter dançado ao ritmo de suas batidas...'

Maravilhoso....
Amei td isso q vc escreveu!
Parabéns...
Um beijão